Edição de 2015 das Olimpíadas de Química

A Sociedade Portuguesa de Química convida-o a participar nas OLIMPÍADAS DE QUÍMICA MAIS e nas OLIMPÍADAS DE QUÍMICA JUNIOR. Os estudantes participantes das OQ+ terão a chance de se qualificar para 48ª Olimpíada Internacional de Química, e para as Olimpíadas Iberoamericanas de Química. Os estudantes mais jovens, participantes nas OQ Júnior, terão a oportunidade de integrar a representação nacional nas Olimpíadas de Ciência da União Europeia.

Inscrições até 31 de janeiro de 2015 em: chemistry.pt/olimpiadas

Regras/Informações Importantes

  • Esteja atento aos prazos de inscrição
  • As instituições acolhedoras têm vagas limitadas - Disponibilidades
  • Caso a instituição acolhedora tenha esgotado as vagas deixará de aparecer no formulário
  • Caso se tenha inscrito em edições anteriores precisará de se inscrever novamente
  • Todos os campos são de preenchimento obrigatório
  • Após inscrição receberá um email de confirmação (dois no caso de ser o primeiro registo na plataforma)
  • Caso não receba o email de registo confirme na sua caixa de SPAM


Olimpíadas de Química Júnior

Olimpíadas Júnior :: 2015 :: Inscrições em Breve

Disponibilidades das Instituições Acolhedoras

UTAD Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - Máx. 30 equipas
UMinho - Universidade do Minho - Máx. 30 equipas
FEUP - Faculdade de Engenharia - Universidade do Porto - Máx. 40 equipas
FCUP - Faculdade de Ciências - Universidade do Porto - Máx. 40 equipas
UAveiro - Universidade de Aveiro - Máx. 50 equipas
FCT-UCoimbra - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra - Máx. 60 equipas
UBI - Universidade da Beira Interior - Máx. 50 equipas
FC-UL - Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - Máx. 26 equipas
IST-UL Instituto Superior Técnico - Universidade de Lisboa - Máx. 32 equipas
UALG - Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve - Máx. ... equipas

As inscrições abrirão na primeira semana de Dezembro.

VENCEDORES DE EDIÇÕES ANTERIORES :: OLIMPÍADAS DE QUÍMICA JÚNIOR

2014

  • Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de Nuno Álvares (Castelo Branco): Cristiano Barata, Guilherme Alves e Raul Monteiro - Prof.ª Célia Peixinho - Os enzimáticos
  • Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Martim de Freitas (Coimbra): Gonçalo Costa, Rafael Brito e Tomás Paiva - Prof.ª Maria de São Peixoto - Os 3 SR
  • Escola Secundária Alves Redol (Vila Franca de Xira): Ana Lopes, Pedro Paiva e Margarida Luís - Prof.ª Maria Semedo - Os Isótopos
  • 2013

  • Escola Básica e Secundária de Albufeira: David Andrade, Nuno Libereiro e João Luna - Prof.ª Ana Gonçalves - Albufeira
  • Academia de Música Costa Cabral: Ricardo Cardoso e Menezes, Diogo Meneses e Francisco dos Santos - Prof.ª Joana Rebelo - Porto
  • Colégio de São Tomás: Maria Grilo, Berta Braga e Pedro Martin - Prof.ª Mónica Gonçalves - Lisboa
  • 2012

  • Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Roque Gameiro - Amadora
  • Escola Técnica e Liceal Salesiana de Stº António - Estoril
  • Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Cabeceiras de Basto - Cabeceiras de Basto
  • 2011

  • Escola Técnica e Liceal Salesiana de Stº António - Estoril
  • Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Caldas das Taipas - Caldas das Taipas
  • Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos D. Manuel de Faria e Sousa - Margaride
  • 2010

  • Colégio da Trofa S. Martinho de Bougado - Trofa
  • Externato "Frei Luís de Sousa" - Almada
  • Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Eugénio de Castro - Coimbra
  • Disposições gerais

    I. As "Olimpíadas Portuguesas de Química ", também designadas por "Olimpíadas de Química", são concursos de resolução de problemas teóricos e práticos de Química, dirigidos aos estudantes do ensino básico e secundário português e organizados pela Sociedade Portuguesa de Química SPQ).


    II. Os objectivos das Olimpíadas de Química são:

      a) dinamizar o estudo e ensino da Química nas Escolas Básicas e Secundárias;
      b) proporcionar a aproximação entre as Escolas Básicas e Secundárias e as Universidades e Institutos Superiores;
      c) despertar o interesse pela Química, divulgar a Química como ciência e cativar vocações para carreiras científico-tecnológicas entre os estudantes.
    III. As Olimpíadas de Química contemplam vários tipos de provas:
      a) As Olimpíadas de Química+ dirigem-se ao ensino secundário.
      b) As Olimpíadas de Química Júnior dirigem-se ao ensino básico.
      c) As Competições Internacionais nas quais a SPQ assegura - através do protocolo com o ME - a representação de Portugal são, actualmente, as Olimpíadas Internacionais de Química (IChO), as Olimpíadas Ibero-americanas de Química (OIAQ) e as Olimpíadas Europeias de Ciência (EUSO) .

    Olimpíadas de Química Júnior

    Participantes
    1. Podem concorrer todos os alunos que frequentem os 8º e 9º anos de escolaridade em Portugal.


    Fases das provas
    2. As "Olimpíadas de Química+" decorrem em 3 fases:
      1ª fase – selecção por escola;
      2ª fase – prova nas universidades;
      3ª fase – Final nacional. 
    3. Na 1ª fase, cabe às Escolas o apuramento das suas equipas, acordo com o nº8 deste regulamento. Cada Escola poderá inscrever entre 1 a 6 equipas, constituídas por 3 elementos, no máximo.

    § O número de equipas por escola é decidido em cada ano pela Comissão Organizadora Local, dependendo do número de escolas inscritas e da capacidade de acolhimento.
    4. Na 2ª fase, as provas são realizadas a nível regional, nos Departamentos Universitários aderentes. Em cada semifinal serão apuradas as 3 melhores equipas, às quais serão atribuídas simbolicamente as medalhas de “Ouro”, “Prata” e “Bronze”.
    5. Para a 3ª fase (Final nacional) será apurada a equipa 1ª classificada de cada semifinal, mais a 2ª classificada das semifinais com mais participantes, até ao número máximo de 20 equipas.

    Tipo de provas
    6. Na 1ª fase, cabe a cada Escola escolher, elaborar e realizar as provas para selecção das equipas que inscreverá para a 2ª fase.
    7. Nas 2ª e 3ª fases, a elaboração das provas é da responsabilidade das Comissões Organizadoras locais.
    8. As provas das 2ª e 3ª fases deverão conter um conjunto maioritário de questões com base em observações em laboratório, aqui designadas por  perguntas de “observar e mexer”. Adicionalmente, podem ser consideradas questões apresentadas sob a forma de charadas, puzzles, concursos, jogos de pistas e demonstrações.
    8. As provas das 2ª e 3ª fases serão realizadas em equipa (3 elementos, no máximo)

    Programa
    10. O programa considerado na elaboração das questões será o programa de Química até ao 9º ano de escolaridade.

    Organização das provas
    11. As "Olimpíadas de Química Júnior" são coordenadas pelo Coordenador das Olimpíadas de Química, nomeado pela Direcção da SPQ.
    12. A organização da 1ª fase é da responsabilidade exclusiva das escolas participantes.
    13. A organização das 2ª e 3ª fases (semifinais e final) é da responsabilidade da Comissão Organizadora Local, constituída pelos docentes universitários nomeados pelo Conselho Directivo do Departamento de Química respectivo e pelos docentes de qualquer grau de ensino que nela sejam integrados.
    14. As datas de realização das provas da 2ª e 3ª fases (semifinais e final) serão fixadas anualmente pelo Coordenador.

    Prémios
    15. Os participantes da 2ª e 3ª fases receberão um diploma de participação e os prémios e lembranças atribuídos pela Comissão Organizadora Local.
    16. Os alunos vencedores da 2ª e 3ª fases - 3 melhores classificações por equipas - receberão uma medalha comemorativa e um prémio surpresa.
    17. As escolas vencedoras da 3ª fase (final nacional)  receberão uma placa comemorativa.
    Participação em provas internacionais
    18. Os melhor classificados nas Olimpíadas de Química Júnior poderão vir a integrar a equipa portuguesa que participará na European Science Olympiad (EUSO), num ano letivo posterior.

    § A participação da SPQ nas EUSO decorre de um protocolo com o Ministério da Educação (DGIDC), a Sociedade Portuguesa de Física e a Ordem dos Biólogos.
    19. A selecção das equipas para as "Olimpíadas Europeias de Ciência" decorrerá após a preparação e nos termos definidos pelo protocolo acima referido. 


    Disposições finais
    20. A inscrição na 2ª fase deve fazer-se até ao dia 31 de Janeiro de cada ano, com a identificação da Escola, o nome do professor acompanhante, e o número de equipas que a Escola gostaria de levar à 2ª fase.
    21. Até à data da realização da 2ª fase, cada Escola pode substituir total ou parcialmente os elementos da sua equipa, justificando a impossibilidade dos elementos inicialmente indicados. 
    22. Das classificações obtidas apenas serão tornados públicos, em cada prova, a lista ordenada dos vencedores, sem indicação de pontuação.
    23. Qualquer questão resultante de omissão ou dúvidas de interpretação do presente regulamento será resolvida pela Comissão Organizadora em 1ª instância e pela Direcção da SPQ em 2ª instância.
    24. Futuras alterações ao Regulamento serão decididas pela Direcção da SPQ.

    Número de Escolas participantes nas Olimpíadas de Química Júnior:

      2014: 289 Escolas
      2013: 285 Escolas
      2012: 278 Escolas
      2011: 324 Escolas
      2010: 304 Escolas
      2009: 233 Escolas
      2008: 211 Escolas

    Olimpíadas de Química Mais

    Olimpíadas mais :: 2015 :: Inscrições em Breve

    Disponibilidades das Instituições Acolhedoras
    FCUP - Faculdade de Ciências - Universidade do Porto - Máx. 45 escolas
    UAveiro - Universidade de Aveiro - Máx. 50 escolas
    IST-UL Instituto Superior Técnico - Universidade de Lisboa - Máx. 50 escolas
    UALG - Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve - Máx. 30 escolas

    As inscrições abrirão na primeira semana de Dezembro.

    Fase Regional de Bragança

    Para realizar a inscrição de equipas na prova ou para obtenção de informação, por favor contacte:

      Paulo M.P. Brito
      Departamento de Tecnologia Química e Biológica - Escola Superior de Tecnologia e Gestão
      Campus de Santa Apolónia, Apartado 1134
      5301-857 Bragança
      27 330 31 10 27 331 30 51 paulo@ipb.pt

      www | Realização da Regional: 22 de Janeiro de 2015

    Panfleto | Cartaz

    Fase Regional do Algarve

    mais informações brevemente

    Disposições gerais

    1. As "Olimpíadas Portuguesas de Química ", também designadas por "Olimpíadas de Química", são concursos de resolução de problemas teóricos e práticos de química, dirigidos aos estudantes do ensino básico e secundário português e organizados pela Sociedade Portuguesa de Química - SPQ.
    2. Os objetivos das Olimpíadas de Química são:

    a) dinamizar o estudo e ensino da química nas escolas de ensino básico e secundário;

    b) aproximar as escolas básicas e secundárias às instituições de ensino superior (Universidades e Institutos Politécnicos);

    c) despertar o interesse e gosto pela química, divulgar a química como ciência e cativar vocações para carreiras científico-tecnológicas.

    1. As Olimpíadas de Química contemplam vários tipos de competição:

    a) As Olimpíadas de Química+ dirigidas aos estudantes do ensino secundário.

    b) As Olimpíadas de Química Júnior dirigidas aos estudantes do ensino básico.

    c) As Competições Internacionais - Olimpíadas Internacionais de Química (IChO), as Olimpíadas Ibero-americanas de Química (OIAQ) e as Olimpíadas Europeias de Ciência (EUSO),  nas quais a SPQ assegura - através de protocolo com o Ministério da Educação e Ciência - a representação de Portugal.

     

    Olimpíadas de Química Mais

    Participantes

    1. Podem concorrer todos os estudantes que frequentem, em Portugal, os 10º e 11º anos de escolaridade.

    Fases das provas

    2. As "Olimpíadas de Química+" decorrem em 3 fases:

    1ª fase – seleção por escola;

    2ª fase – semifinal;

    3ª fase – final nacional.

    3. Na 1ª fase, compete às escolas a seleção e consequente apuramento da sua equipa, constituída por, no máximo, 3 elementos, de acordo com o nº 8 deste Regulamento.

    4. A 1ª fase pode igualmente ser organizada em forma de competição regional por uma das instituições do ensino superior da região, a funcionar no modelo semelhante às semifinais e aberta a um maior número de equipas por escola. Esta competição regional não condiciona ou limita o acesso das Escolas participantes à 2ª fase.

    5. Cada Escola poderá inscrever para a 2ª fase apenas uma equipa constituída no máximo por 3 elementos).

    6. Na 2ª fase, são realizadas 3 semifinais em Universidades selecionadas pela SPQ para o efeito. Em cada uma das semifinais serão apuradas as 3 melhores equipas que integrarão a 3ª fase.

    7. Na 3ª fase, correspondente à final e realizada na Universidade de Aveiro, os estudantes apurados concorrerão agora individualmente.

    Tipo de provas

    8. Na 1ª fase, cabe a cada Escola ou instituição do ensino superior com competição regional escolher, elaborar e realizar as provas para seleção da equipa que inscreverá nas semifinais.

    9. Nas 2ª e 3ª fases, a elaboração das provas é da responsabilidade da SPQ.

    10. Nas semifinais (2ª fase), as provas serão teóricas e realizadas em equipa (por Escola).

    11. Na final (3ª fase), cada estudante realizará uma prova teórica individual e uma prova laboratorial individual.

    12. Tanto nas semifinais como na final nacional, as provas decorrerão simultaneamente para todos os estudantes.

    Programa

    13. O programa considerado na elaboração das questões será o programa de Química até ao 10º ano de escolaridade inclusive para a semifinal e o programa de Química até ao 11º ano de escolaridade inclusive para a final.

    14. Em qualquer dos casos (semifinal e final) poderão ser incluídas questões que envolvam:

    i) a aplicação de conhecimentos gerais de química a situações não consideradas explicitamente nos programas;

    ii) assuntos que não constem do programa acima mencionado, desde que sejam fornecidas informações adicionais suficientes para a sua resolução.

    Organização das provas

    15. As "Olimpíadas de Química" são coordenadas pelo Coordenador das Olimpíadas de Química, nomeado pela Direção da SPQ.

    16. O Coordenador é coadjuvado nas suas funções por uma Comissão Organizadora a que preside e que inclui o Júri de Provas.

    17. O Júri de Provas é constituído por docentes e/ou investigadores universitários convidados pelo Coordenador e têm a função de colaborar na elaboração das questões que serão apresentadas aos estudantes em cada prova, e proceder à respetiva classificação no dia das provas.

    18. Durante a realização das provas das 2ª e 3ª fases, só é permitida a utilização de máquinas de calcular não programáveis e no caso da prova prática os estudantes devem trazer bata.

    19. As datas de realização das semifinais e da final serão fixadas anualmente pelo Coordenador.

    Prémios

    20. Todos os participantes das semifinais e da final (2ª e 3ª fases) receberão um diploma de participação.

    21. Os alunos vencedores das semifinais (3 melhores classificações por equipas) receberam a medalha comemorativa da classificação obtida.

    22. Na final, serão atribuídos os prémios especiais das "Olimpíadas" aos alunos classificados nos 1º, 2º e 3º lugares.

    23. A escola cujos estudantes tiverem a melhor classificação receberá um diploma comprovativo.

    Participação em provas internacionais

    Atualmente a SPQ participa nas "Olimpíadas Ibero-americanas de Química" (OIAQ) e nas "Olimpíadas Internacionais de Química - International Chemistry Olympiads" (IChO).

    23. Serão convidados a frequentar o programa de preparação para as competições internacionais nas quais a representação de Portugal é assegurada - através do protocolo com o Ministério da Educação - pela SPQ, os 10 estudantes (quando as classificações forem muito próximas poderão ser selecionados mais estudantes) melhor classificados na Final.

    24. A preparação decorre na Universidade de Aveiro, iniciando-se em novembro e terminando em setembro (desta forma engloba as participações nas IChO e OIAQ).

    25. Os elementos selecionados para a preparação serão sujeitos a provas de mérito da responsabilidade dos docentes envolvidos na preparação e coordenadas pela responsável da preparação. As provas têm como objetivo a escolha dos melhores estudantes para comporem as equipas que representarão o país nas referidas competições internacionais.

    Disposições finais

    26. A inscrição na 2ª fase deve fazer-se até ao dia 31 de janeiro de cada ano, com a identificação da Escola, o nome, a idade dos estudantes que integram a equipa, ano de escolaridade bem como o nome do professor acompanhante (que virá com o estudantes) e seu contacto via correio electrónico.

    27. Até à data da realização da semifinal, cada escola pode substituir total (ou parcialmente) os elementos da sua equipa, justificando a impossibilidade dos elementos inicialmente indicados. Os estudantes apurados para a final não poderão ser substituídos, por qualquer motivo, por outros elementos.

    28. Na final, as despesas de deslocação, alojamento dos estudantes e professores acompanhantes serão da responsabilidade - no âmbito do protocolo com o ME. A SPQ estipulará anualmente as condições de hospedagem e indicará o número máximo de professores acompanhantes cujos custos suportará.

    29. Os alunos participantes em competições internacionais terão asseguradas as despesas de deslocação e alojamento e serão acompanhados por, pelo menos, um docente universitário nacional (mentor).

    30. As classificações obtidas não serão tornados públicas. Em cada semifinal, serão indicadas as equipas apuradas para a final e no caso da final, será divulgada a lista dos selecionados para a preparação, sem indicação de pontuação.

    31. A direção da SPQ designa anualmente o organizador nacional das Olimpíadas, que pode conter mais do que um elemento.

    32. Qualquer questão resultante de omissão ou dúvidas de interpretação do presente regulamento será resolvida pela Comissão Organizadora, que consultará o organizador nacional, em 1ª instância e pela Direção da SPQ em 2ª instância.

    33. Futuras alterações ao Regulamento serão decididas pela Direção da SPQ.

    34. Em tudo o que estiver omisso no presente Regulamento, compete à direção da SPQ a respetiva resolução, não sendo a sua decisão passível de recurso.

    VENCEDORES DE EDIÇÕES ANTERIORES :: Olimpíadas de Química+

    Os resultados de outras competições são divulgados pelas Instituições participantes

    2014

    Ouro: Maria Neves Carmona - Colégio Luso Francês
    Prata: Francisco Manuel Correia Marques - Escola Secundária de José Falcão
    Bronze: André Frederico Sequeira Mesmoudi Coelho - Escola Secundária de Albufeira
    Melhor escola: Escola Secundária de Albufeira | Fotografias www

    2013

    Ouro: David Pires Tavares Martins - Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico Mirandela - Mirandela
    Prata: Álvaro Miguel Figueira Mendes Samagaio - Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico Almeida Garrett - Vila Nova de Gaia
    Bronze: Gabriela Miguéis Carvalho Guiomar - Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico Almeida Garrett - Vila Nova de Gaia

    2012

    Ouro: João Luís Sousa Janela - Escola Secundária Infanta D. Maria, Coimbra
    Prata: João Francisco Souto - Colégio dos Cedros, Vila Nova de Gaia
    Bronze: Maria Carolina Amoedo Gonçalves - Escola Secundária Infanta D. Maria, Coimbra

    2011

    Ouro: João Pimenta Pereira - Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de D. Inês de Castro de Alcobaça
    Prata: Hugo Cadilha - Escola Secundária de Gago Coutinho
    Bronze: João Paulo Pereira Rocha - Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico Carolina Michaelis

    2010

    Ouro: Bernardo Pascoal Figueiredo – ES3B de D. Inês de Castro, Alcobaça
    Prata: Gonçalo José Veríssimo - Externato João Alberto Faria, Arruda dos Vinhos
    Bronze: Paulo Sérgio Pereira Gonçalves – ES Alves Martins, Viseu
    Prémio “Melhor Escola” (distingue a instituição com o melhor conjunto de resultados dos seus 3 participantes): Escola de D. Inês de Castro, de Alcobaça

    2009

    Ouro: Bruno Tiago Lopes Carneiro Devesa - Colégio Internato dos Carvalhos
    Prata: Gonçalo Vitorino Bonifácio - ES José Saramago(Mafra)
    Bronze: David Armando de Oliveira Pinto - Colégio Internato dos Carvalhos
    Prémio “Melhor Escola” (distingue a instituição com o melhor conjunto de resultados dos seus 3 participantes): Colégio Internato dos Carvalhos

    2008

    Ouro: Leandro Tiago Marques (ES/B3 Soares Basto - Oliveira de Azeméis)
    Prata: Diogo Manuel Teixeira (Colégio Cedros - Vila Nova de Gaia)
    Bronze: Inês Santana Oliveira (ES/B3 de José Estevão - Aveiro)
    Prémio “Melhor Escola” (distingue a instituição com o melhor conjunto de resultados dos seus 3 participantes): Colégio Cedros

    2007

    Ouro: António Vasconcelos Miranda de Sousa Leite (Colégio Cedros)
    Prata: Giovana Clara Sousa Ennis (ES Alves Martins - Viseu)
    Bronze: Junior André Gomes Louro (Colégio Frei Gil / IPSB - Bustos)

    2006

    Ouro:>Raúl João de Sousa Pereira (ES Almeida Garret - Vila Nova de Gaia)
    Prata: Rui Emanuel Ferreira da Silva (Colégio Internato dos Carvalhos)
    Bronze: Rui Filipe Gonçalves Apóstolo (ES D. Duarte - Coimbra)

    2005

    Ouro: Paulo Alcino Macedo(ES Infanta Castêlo da Maia)
    Prata: Sofia Helena Ferreira (ES Augusto Gomes - Matosinhos)
    Bronze: David Morais Furtado (ES Dr. Manuel Fernandes - Abrantes)

    2004

    Ouro: Ana Ortins Pina (ES Infanta D. Maria - Coimbra)
    Prata: Cristina Paula Nogueira Marques (ES Cacilhas-Tejo - Almada)
    Bronze: Ricardo José Araújo Ladeiras Lopes (ES da Boa Nova - Leça da Palmeira)

    2003

    Ouro: André Belarmino Alves Ramos(Colégio Internato dos Carvalhos)
    Prata: Carlos Alberto B. Oliveira (ES/B3 de José Estevão - Aveiro)
    Bronze:>Ana Filipa Quintela Vieira (ES/B3 Dr. Manuel Laranjeira - Espinho)

    2002

    Ouro: Ana Raquel Sequeira Pinto (ES Alves Martins - Viseu)
    Prata: Ângela Filipa Pereira Cardoso (Externato Delfim Ferreira - Riba d'Ave)
    Bronze: Humberto Bento Ayres Pereira (Colégio Cedros - Vila Nova de Gaia)

    2001

    Ouro: João Pedro Batista Tomaz (ES Fernão de Magalhães - Chaves)
    Prata: Bruno Gomes da Silva (Colégio Internato dos Carvalhos)
    Bronze: Filipa Isabel Branco Melão (ES Fernão de Magalhães - Chaves)

    2000

    Ouro: Joana Tomás (ES José Estevão - Aveiro)
    Prata: João Gouveia (ES José Falcão - Coimbra)
    Bronze: Helena Isabel Pereira (ES Latino Coelho - Lamego)

    Olimpíadas Ibero-Americanas de Química

    As Olimpíadas Ibero-americanas de Química são um concurso entre estudantes ibero-americanos que se realiza, a cada ano, no mês de outubro, num dos países dessa comunidade. Teve início em Mendoza, na Argentina, em 1995, prosseguindo na cidade do México (1996), Rio de Janeiro (1997), Bogotá (1998), Santiago de Compostela (1999), Caracas (2000), Mar del Plata (2002), Cuernavaca (2003), Castellon (2004), Lima (2005), Aveiro (2006), Rio de Janeiro (2007), Heredia (2008), Havana (2009), Cidade do México (2010), Piauí (2011), Santa Fé, na Argentina (2012), La Paz na Bolívia (2013) e Montevideo no Uruguai (2014).

    Cada país participa com uma equipa de até 4 (quatro) estudantes, não universitários, com idade inferior a 19 anos, escolhidos num processo nacional, no caso de Português, nas Olimpíadas de Quimíca Mais.

    Actualmente, participam neste evento os seguintes países: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Costa Rica, Cuba, Colômbia, El Salvador, Espanha, Guatemala, México, Peru, Panamá, Portugal, Venezuela e Uruguai.

    2013

    Ouro: João Luís Sousa Janela(Coimbra)
    Bronze: Maria Carolina Amoedo Gonçalves (Coimbra)

    2012

    Prata: Ricardo Rodrigues (Bragança)
    Bronze: Catarina da Cunha e Silva Martins Costa (Oliveira de Azeméis)
    Bronze: Maria Carolina Amoedo Gonçalves (Coimbra)
    Bronze: João Pereira (Alcobaça)

    2011

    Bronze: João Pimenta Pereira - Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de D. Inês de Castro de Alcobaça
    Bronze: Paulo Pereira Gonçalves - Escola Secundária Alves Martins (Viseu)
    Bronze: Vasco Figueiredo Batista - Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de Carregal do Sal

    2010

    Prata: Gonçalo Vitorino Bonifácio - ES José Saramago (Mafra)
    Bronze: Jorge Pedro Martins Nogueiro - Escola Secundária Emídio Garcia (Bragança)
    Menção Honrosa: Marta Aguiar - ES Homem Cristo (Aveiro)

    2009

    Prata: Diogo Manuel Santos Teixeira - Colégio Cedros
    Bronze: Francisco Diogo Ferreira - Colégio Cedros e Leandro Tiago Marques - ES Sousa Basto (Oliveira de Azeméis)
    Menção Honrosa: João Luís Sousa - ES Domingos Sequeira (Leiria)

    2008

    Prata: Inês Maria Pacheco Soares Carneiro (Escola Secundária da Maia)

    2007

    Prata: Rui Emanuel Ferreira da Silva (Colégio Internato dos Carvalhos)
    Bronze:Tiago Raúl de Sousa Pereira (ES Almeida Garret - Vila Nova de Gaia)

    2005

    Bronze: Duarte Saraiva Martins (ES Cacilhas - Tejo) e Bruno Macedo (ES Rio Tinto)

    2004

    Ouro: Ana Ortins Pina (ES Infanta D.Maria - Coimbra)
    Menção Honrosa: Ana Rita Lopes (Colégio dos Carvalhos - Carvalhos)

    2003

    Bronze: Ana Filipa Quintela Vieira (ES/B3 Dr. Manuel Laranjeira - Espinho), Carlos Alberto B. Oliveira (ES/B3 de José Estevão - Aveiro)

    2002

    Bronze: Ângela Filipa Pereira Cardoso (Externato Delfim Ferreira - Riba d'Ave)

    International Chemistry Olympiad - IChO
    Olimpíadas Internacionais de Química

    As Olimpíadas Internacionais de Química (International Chemistry Olympiad ou simplesmente IChO) decorrem anualmente em local itinerante e são destinadas aos alunos do ensino secundário.

    A primeira edição deste evento ocorreu em 1968, na cidade de Praga - República Checa. Desde então, o único ano em que o torneio não se realizou foi em 1971. A edição mais recente foi realizada em Hanoi, Vietname.

    Cada delegação é representada por até quatro estudantes e dois professores acompanhantes.


    Provas

    A avaliação é composta por uma prova teórica e uma prova experimental. Cabe ao Organizador Local elaborar a avaliação, sujeita à aprovação do Júri Após a correção das provas e a revisão das notas, é elaborado um ranking baseado na nota total obtida por cada estudante, considerando peso de 60% na prova teórica e 40% na experimental.


    Prémios

    São medalhados com ouro os alunos que estiverem entre os 10% melhores, medalhas de prata aos que estiverem entre os 20% seguintes e de bronze aos 30% subsequentes.

    2014

    Menção Honrosa:
    Álvaro Miguel Figueira Mendes Samagaio
    Escola Secundária Almeida Garrett

    2010

    Menção Honrosa:
    Jorge Pedro Martins Nogueiro
    Escola Secundária Emídio Garcia de Bragança

    European Union Science Olympiad - EUSO
    Olimpíadas Europeias de Ciência

    Os alunos vencedores das Olimpíadas Júnior ficam habilitados a constituir a equipa que representará Portugal nas EUSO.

    Mais informações sobre a EUSO em Portugal: www

    Locais previstos para realização:

      2015: Áustria (Klagenfurt)
      2016: Estónia, Eslováquia ou Latvia
      2017: Dinamarca
      2018: Eslovénia
    Sítio Internacional da EUSO: www

    Datas Importantes

    Gerais

    Início das Inscrições: Primeira Semana de Dezembro de 2014


    Data limite para Inscrições: 31 de Janeiro de 2015

    Olimpíadas Junior

    Envio notificações/confirmação às escolas: Final de Fevereiro de 2015
    Constituição das equipas: Meados de Março de 2015
    Semifinais: 11 de Abril de 2015 (Sábado)
    Data da Final Nacional: 9 de Maio de 2015 (Sábado) - Local a definir

    Olimpíadas Mais

    Envio notificações/confirmação às escolas: Meados de Fevereiro de 2015
    Constituição das equipas: Final de Fevereiro de 2015
    Semifinais : 7 de Março de 2015 (Sábado)
    Data da Final Nacional: 9 de Maio de 2015 (Sábado) - Univ Aveiro

    Contactos

    Secretariado da SPQ

    Av. da República, 45, 3º ESQ
    1050-187 Lisboa
    21 793 4637
    21 795 2349
    olimpiadas_quimica@spq.pt

    Coordenadora das Olimpíadas de Química

    Diana Pinto
    diana@ua.pt

    Lisboa :: Instituto Superior Técnico

    Palmira Silva
    palmira@ist.utl.pt

    Aveiro :: Universidade de Aveiro

    Diana Pinto
    diana@ua.pt

    Porto :: Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

    Jorge Marques Gonçalves
    jmgoncalves@fc.up.pt

    Faro :: Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve

    Maria Conceição Mateus
    mcmateus@ualg.pt

    Coordenadora Fase Regional de Bragança

    Joana Amaral
    273303138

    Lisboa

    IST
    Palmira Silva
    palmira@ist.utl.pt
    DQB-FCUL
    Manuela Rocha
    mmrocha@fc.ul.pt

    Aveiro

    DQ - UA
    Rosário Domingues
    olimpiadas@dq.ua.pt
    234 401 538 234 370 084

    Braga

    DQ - UM
    Maria José Medeiros Medeiros e Maria Manuela Silva
    medeiros@quimica.uminho.pt
    nini@quimica.uminho.pt
    253 604 399
    253 678 983

    Coimbra

    DQ - UC
    Mariete Pereira / Maria João Moreno
    mmpereira@qui.uc.pt
    mmoreno@ci.uc.pt
    239 852 080

    Covilhã

    DQ - UBI
    Lurdes Ciríaco
    lciriaco@ubi.pt
    275 329 259
    275 319 730

    Faro

    DQF - UAlg
    José Moreira
    jmoreira@ualg.pt

    Vila Real

    DQ - UTAD
    Paulo Fernando da Conceição Santos
    psantos@utad.pt
    259 350 257
    259 350 480

    Porto

    DQ - FCUP
    Ana Reis
    avreis@fc.up.pt
    220 402 653 220 402 659
    DEQ-FEUP
    Joaquim Faria
    jlfaria@fe.up.pt
    225 081 645

    APOIOS INSTITUCIONAIS

    Universidades